Artigos


Circular de dezembro de 2021 de Dom Milton


Sábado, 04 de dezembro de 2021


Imagem | Circular de dezembro de 2021 de Dom Milton

Barretos, 04 de dezembro de 2021
 
Circular 12/2021
 
 Prezados (as) irmãos (ãs),
 
 
Entre os verbos empregados no capítulo oitavo da Exortação Apostólica “A Alegria do Amor” pelo Papa Francisco, quando se trata de ajudar os casais em situações “irregulares”, o Papa utiliza frequentemente o termo “discernimento”.
 
Ele escreve: “O discernimento deve ajudar a encontrar caminhos possíveis de resposta a Deus e de crescimento no meio dos limites” (AL 305).
 
Diante de inúmeras situações concretas de casais que vivem numa situação irregular, Francisco diz que não se deve esperar da Exortação “A Alegria do Amor” uma nova normativa geral, do tipo canônico, para se aplicar a todos os casos; mas sim um encorajamento a um responsável discernimento pessoal e pastoral dos casos particulares, uma vez que o grau de responsabilidade não é igual em todos os casos.
 
Assim, cabe a cada padre assegurar aos que desejam percorrer o caminho do discernimento, segundo a Doutrina da Igreja, a assistência necessária para que se verifique a retidão das intenções e, em muitas situações, o arrependimento dos cônjuges que pelas circunstâncias da interrupção do matrimônio, causaram situações dolorosas na vida do cônjuge e consequentemente dos filhos; pois, “uma reflexão sincera pode reforçar a confiança na misericórdia de Deus que não é negada a ninguém” (AL 300).
 
Francisco diz que trata-se de um itinerário de acompanhamento e discernimento que orienta estes fiéis na tomada de consciência da sua situação diante de Deus (cf. ibid.)
 
São elementos deste discernimento a humildade, privacidade, amor à Igreja e à sua doutrina, a busca sincera da vontade Deus e ao desejo de chegar a uma resposta sempre mais perfeita a esta vontade.
 
Neste discernimento será importante também considerar, que determinam a responsabilidade e a imputabilidade do sujeito, condicionamentos e circunstâncias atenuantes, como prevê o Catecismo da Igreja Católica: “A imputabilidade e a responsabilidade de uma ação podem ficar diminuídas ou suprimidas por ignorância, inadvertência, violência, medo, hábitos, afeições imoderadas e outros fatores psíquicos ou sociais” (CIC 1735).   
 
Referindo-se ao uso deliberado da faculdade sexual fora das relações conjugais normais, no caso da masturbação, também o Catecismo afirma que “para formar um justo juízo sobre a responsabilidade moral dos sujeitos e orientar a ação pastoral, se deverá levar em conta a imaturidade afetiva, a força dos hábitos contraídos, o estado de angústia ou outros fatores psíquicos ou sociais que minoram ou deixam mesmo extremamente atenuada a culpabilidade moral” (cf. CIC 2352).
 
É de se prever que haja consciências, sobretudo no nosso tempo marcado pelo relativismo, pelo individualismo exagerado, que têm dificuldades em oferecer uma resposta mais generosa ao que se pode oferecer a Deus, permanecendo distante do ideal querido. “Em todo o caso, lembremo-nos que este discernimento é dinâmico e deve permanecer sempre aberto para novas etapas de crescimento e novas decisões que permitam realizar o ideal de forma mais completa” (AL 303).
 
Na aplicação das normas, Francisco recorda o que já afirmou Santo Tomás de Aquino: “Embora nos princípios gerais tenham o caráter necessário, todavia à medida que se abordam os casos particulares, aumenta a indeterminação” (Suma Teológica I-II, q.94,art 4). Na prática do discernimento as normas gerais nem sempre abarcam absolutamente todas as situações particulares; e, ao mesmo tempo, o discernimento prático de uma situação particular não pode ser elevado à categoria de norma (cf. AL 304).
 
Aos que têm dificuldade de viver plenamente a lei de Deus, o Papa deseja que ressoe o convite a percorrer o caminho do amor: “A caridade fraterna é a primeira lei dos cristãos” (cf. Jo 15,12; Gal 5,14). Não esqueçamos a promessa feita na Sagrada Escritura: “Acima de tudo, mantende entre vós uma intensa caridade, porque o amor cobre a multidão de pecados” (1 Pd 4,8); “redime o teu pecado pela justiça; e as tuas iniquidades, pela piedade para com os infelizes” (Dn 4,24); “a água apaga o fogo ardente, e a esmola expia o pecado” (Eclo 3,30). O mesmo ensina também Santo Agostinho: ‘Tal como, em perigo de incêndio, correríamos a buscar água para o apagar (...), o mesmo deveríamos fazer quando nos turvamos porque, da nossa palha, irrompeu a chama do pecado; assim, quando se nos proporciona a ocasião de uma obra cheia de misericórdia, alegremo-nos por ela como se fosse uma fonte que nos é oferecida e da qual podemos tomar a água para extinguir o incêndio” (AL 306).
 
 
Dom Milton Kenan Júnior
Bispo de Barretos
 

 
AGENDA EPISCOPAL - DEZEMBRO 2021
 
 
02 – REUNIÃO GERAL DO CLERO – (via remota) – 9h
 
       Santa Missa com Crismas, na Igreja Matriz de Santo Antônio de Pádua, em Barretos, às 19h30
 
04 – Santa Missa com Crismas, na Capela Nossa Senhora Aparecida, em Jaborandi, às 19h
 
05 - Santa Missa com Crismas, no Santuário Diocesano Nossa Senhora do Rosário, em Barretos, às 16h
 
06 – CONFRATERNIZAÇÃO DO CLERO em Guaíra
 
07 - Conselho de Presbíteros, na Cúria Diocesana, em Barretos, às 9h
        Santa Missa com a Comunidade Neocatecumenal na capela São João Batista da Paróquia da Catedral, às 20h.
 
08 - Santa Missa da Solenidade da Imaculada Conceição no Santuário Diocesano N. Senhora do Rosário, em Barretos, às 19h30
 
09 – Santa Missa com Crismas, na Igreja Matriz Santa Ana e São Joaquim, em Barretos, às 19h
 
10 – Santa Missa, na Paróquia São Benedito, em São José do Rio Preto, com a Comunidade “Maria Peregrina”, às 19h30
 
11 – Santa Missa com Crismas, na Igreja Matriz N. Sra. Do Carmo, em Colômbia, às 19h
 
15 - Conselho Diocesano de Assuntos Econômicos, na Cúria Diocesana, às 14h30
 
17 – Comissão de Formadores, na Residência Episcopal, em Barretos, às 10h
 
       Santa Missa com Crismas, na Igreja Matriz de N. Sra. Aparecida, em Guaíra, às 19h30
 
24 - Missa do Galo na Catedral, às 19h30
 
25 - Santa Missa do Natal na Catedral, às 9h
 

Comentários



Sobre o Autor


Dom Milton Kenan Junior

Dom Milton é o 6º bispo da Diocese de Barretos. E-mail: dommilton@diocesedebarretos.com.br

Artigos do Autor