Artigos


Circular de Dom Milton de agosto de 2019


Terça-feira, 06 de agosto de 2019


Imagem | Circular de Dom Milton de agosto de 2019

Barretos, 06 de agosto de 2019.
 
Circular 06/2019
 
Queridos irmãos e irmãs,
 
Na Exortação Pós-Sinodal “Christus vivit” (Cristo Vive) endereçada aos jovens e a todo o Povo de Deus, o Papa Francisco reserva um capítulo para tratar da Vocação, correspondendo, assim, ao tema da Assembleia Geral do Sínodo dos Bispos que ocorreu em outubro de 2018: “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”.
 
O papa diz que “o que Jesus quer de cada jovem é, acima de tudo, sua amizade” (n. 250); e consequentemente, o papa diz que a vocação deve ser  “entendida como serviço missionário dos outros” (n. 253).
 
Assim, vocação e missão sempre estão entrelaçadas. Quando o Senhor chama, Ele chama sempre para uma missão.
 
Francisco diz que a vocação missionária tem a ver com o serviço aos outros. A missão não é uma parte da vida, ou um enfeite que se possa colocar de lado; não é um apêndice ou um momento entre tantos outros da vida. É algo que não podemos tirar da nossa vida se queremos conservá-la. Porque, cada um é uma missão nesta terra, e para isso está neste mundo (cf. n. 254).
 
Nesta perspectiva, “devemos pensar que toda a pastoral é vocacional, toda a formação é vocacional, e toda a espiritualidade é vocacional” (ibid.).
 
Para realizarmos nossa vocação é preciso desenvolver, fazer germinar e crescer tudo o que cada um de nós é. Por isso, não se trata de inventar-se, criar-se do nada, mas descobrir-se à si mesmo à luz de Deus e de fazer florescer o próprio ser” (n. 257).
 
Nas pesquisas feitas com jovens em preparação ao Sínodo, em 2018, surgiram repetidamente dois temas importantes que preocupam e entusiasmam os jovens, exigindo, da parte da Igreja, um discernimento especial: o amor, a família e o trabalho.
 
Os jovens sentem fortemente o chamado ao amor e sonham encontrar a pessoa certa com quem formar uma família e construir uma vida juntos. “O Sínodo salientou que ‘a família continua sendo o principal ponto de referência para os jovens. Os filhos apreciam o amor e os cuidados dos pais, dão importância aos laços familiares e esperam sua vez de formar uma família” (n. 262).
 
Reconhecendo em sua história de amor o chamado do Senhor a formar de duas pessoas, uma só carne, uma só vida, os jovens deveriam reconhecer que o sacramento do Matrimônio envolve este amor com a graça de Deus tornando-os capazes de começar com segurança sua vida a dois, sem medo de nada, para juntos enfrentar tudo (n. 260).
 
No que diz respeito ao trabalho, o Papa Francisco reafirma que “o trabalho é muito importante na sua vida [dos jovens]” (n. 268); “ o trabalho é uma necessidade, faz parte do sentido da vida nesta terra, é caminho de maturação, desenvolvimento humano e realização pessoal” (n. 269).
 
Nos nossos dias, não são poucos os entraves e desafios que os jovens encontram no que diz respeito ao trabalho: o desemprego juvenil, a falta de habilidades profissionais adequadas, por causa de um sistema educacional deficiente. A realidade da exploração da força de trabalho dos jovens e a substituição de inúmeros empregos por máquinas (n. 271).
 
Neste ambiente tão hostil à realização humana no trabalho, o Santo Padre diz que “o trabalho para um jovem não é simplesmente uma atividade para ganhar dinheiro. É uma expressão da dignidade humana, é caminho de maturação e integração social, é um estímulo constante para crescer em responsabilidade e criatividade, é uma proteção contra a tendência ao individualismo e comodismo, e serve também para dar glória a deus com o desenvolvimento das próprias capacidades” (cf. Ibid).
 
Finalmente, Francisco refere-se às vocações para uma especial consagração, dizendo: “No discernimento de uma vocação, não se deve excluir a possibilidade de se consagrar a Deus no sacerdócio, na vida religiosa ou em outras formas de consagração. Por que excluir isso? Podes ter a certeza de que, se reconheceres um chamado de Deus e o seguires, será isso que dará plenitude à tua vida” (n. 276).
 
Seria importante que nas nossas reflexões sobre a realidade das vocações levássemos em conta as palavras do Papa Francisco. Cada uma dela abraça uma gama de propostas e abre perspectivas para o nosso trabalho com os jovens, tendo em vista o surgimento da cultura vocacional em nossas paróquias.
 
Que a Virgem do Sim nos anime na nossa resposta e na nossa ação em favor dos jovens que aspiram pela felicidade e encontram na família e no trabalho os campos mais apropriados a sua realização!
 
Dom Milton Kenan Júnior
Bispo de Barretos
 
AGENDA EPISCOPAL - AGOSTO 2019
 
06 –   Confraternização do Clero
          Santa Missa na Matriz do Senhor Bom Jesus, em Barretos, s 19h30
08 – Conselho de Presbíteros, na Residência Episcopal, às 9h
09 – Atendimento Cúria Diocesana, às 9h30
13 –  Reunião do Secretariado de Pastoral, na Cúria Diocesana, às 9h
      Santa Missa, na Igreja Matriz S. José em Olímpia – Semana da Família – 19h30
14 – Palestra para Famílias – Semana da Família – Guaraci – 20h
15 – Reunião Geral do Clero, na Cúria Diocesana, às 9h
        Reunião Setor Família, Residência Episcopal, às 20h
16 -  Atendimento na Cúria Diocesana, às 9h30
16 a 18 – VISITA PASTORAL – Paróquia S. João Batista (Barretos)
20 - Missa no Rancho do Peãozinho, no Parque do Peão, às 19h30
21 – Reunião Comissão Dioc. Animação Bíblico-Catequética, na Resid. Episcopal às 20h
27 – Santa Missa com Crismas, Igreja Matriz N. Sra. Aparecida, em Olímpia, às 19h30
28 – Santa Missa com Crismas, Igreja Matriz N. Sra. Aparecida, em Olímpia, às 19h30
30 a 01/09 – VISITA PASTORAL – Paróquia S. Luís Gonzaga (Barretos)
31 – Posse Canônica de Dom Valdir Mamede, Bispo Diocesano de Catanduva, às 9h, na Catedral Dioc. N. Sra. Aparecida, em Catanduva
 
 
Imagem: A12.com
 

Comentários



Sobre o Autor


Dom Milton Kenan Junior

Dom Milton é o 6º bispo da Diocese de Barretos. E-mail: dommilton@diocesedebarretos.com.br

Artigos do Autor