Artigos


Diaconado Permanente: reabertura do processo formativo dos diáconos permanentes na diocese


Quinta-feira, 28 de julho de 2022


Imagem | Diaconado Permanente: reabertura do processo formativo dos diáconos permanentes na diocese

DIACONADO PERMANENTE
DIOCESE DE BARRETOS
 
O Diaconado Permanente foi restaurado somente a partir do Concílio Vaticano II (cf. LG n. 29) “como grau próprio e permanente da hierarquia”, que “estabeleceu condições teológico-pastorais favoráveis para que esse ministério pudesse desenvolver-se plenamente. Entre tais condições ressaltam-se: a eclesiologia de comunhão e participação, a teologia da diversidade dos carismas e ministérios, o poder como serviço, além da própria necessidade pastoral” (Diretório para o Diaconado Permanente da Igreja no Brasil” (Doc. CNBB, 93 -2010).
 
O Documento de Aparecida afirma que os diáconos permanentes “são ordenados para o serviço da Palavra, da caridade e da liturgia, especialmente para os sacramentos do Batismo e do Matrimônio; também para acompanhar a formação de novas comunidades eclesiais, especialmente nas fronteiras geográficas e culturais, onde ordinariamente não chega a ação evangelizadora da Igreja” (n. 205).
 
Considerando o ministério diaconal uma riqueza para a vida da Igreja, no sentido de colaborar nos mais diversos campos da evangelização, na vida das comunidades, na liturgia e na ação social, especialmente em favor dos mais necessitados, dando assim testemunho de Cristo servidor ao lado dos enfermos, dos que sofrem, dos migrantes e refugiados, dos excluídos e das vítimas da violência (cf. Aparecida, n. 206), Dom Edmilson Amador Caetano ordenou o Diácono José Paulo Lombardi, em Barretos aos 10 de Agosto de 2012. Criou também a Escola Diaconal na Diocese de Barretos para formar novos diáconos para o serviço da Igreja Particular. Dom Milton, por sua vez, ordenou Diácono Permanente Mario Lucio Alves de Paula, aos 22 de Setembro de 2017.
 
Hoje, as atividades da Escola Diaconal estão interrompidas, mas diante das condições favoráveis elencadas nas Diretrizes para o Diaconado Permanente da Igreja no Brasil: Formação, Vida e Ministério” (Doc. 93 da CNBB), temos a possibilidade de reabrir o processo de formação dos diáconos permanentes na Diocese.
 
As exigências para a seleção e formação dos futuros diáconos permanentes da Diocese são:
  • Que sejam homens idôneos, tendo completados trinta e cinco anos de idade, com família constituída, em plena comunhão com a Igreja Católica, exercendo alguma atividade na sua respectiva paróquia que permite considerar que ele terá condições para exercer o ministério para o qual será chamado;
  • Dotado de equilíbrio emocional, capaz de estabelecer relações de fraternidade espiritual e ministerial com os presbíteros e diáconos, e, com eles, dedicar-se com zelo pastoral para o bem do Povo de Deus.
  • Exerça uma atividade profissional de acordo com os ensinamentos do Evangelho e da moral cristã; dotado de capacidades intelectuais que permitirão assimilar a formação oferecida pela Diocese e, ao mesmo tempo, com condições de comunica-la com desenvoltura e coerência;
  • Não exerça política partidária, nem se candidate a cargos políticos (Cân 287, §2).
  • Condições de participar de todas as etapas da formação diaconal, compreendida como: encontros vocacionais (6 meses), propedêutico (6 meses), filosofia e teologia (2 anos).
Quanto a seleção dos candidatos ao Diaconado Permanente, será importante que haja pedido por escrito do candidato ao Bispo Diocesano, manifestando as razões que o levam a aspirar ao ministério diaconal na Igreja. Junto deste pedido o Pároco, tendo ouvido o Vigário Paroquial (onde houver) e o Conselho Paroquial de Pastoral deverá apresentar o candidato ao Bispo, que por sua vez submeterá o pedido do candidato e a apresentação do Pároco a apreciação do Conselho de Presbíteros.
 
Sem mais, o intuito deste texto é uma apresentação das razões e dos critérios que o Conselho de Presbíteros juntamente com o Conselho de Formadores oferecem para que se possa recuperar em nossa Diocese a formação e ordenação de diáconos permanentes.
 
Barretos, 31 de maio de 2022.
 
CONSELHO DE PRESBÍTEROS DA DIOCESE DE BARRETOS
 
 
 
Imagem: arquimoc.com
 

Comentários



Sobre o Autor


Dom Milton Kenan Junior

Dom Milton é o 6º bispo da Diocese de Barretos. E-mail: dommilton@diocesedebarretos.com.br

Artigos do Autor