Artigos


Quando o inimigo mora em nós


Segunda-feira, 09 de julho de 2018


Imagem | Quando o inimigo mora em nós

Sabotador, de maneira geral, é aquele que joga contra nós; parece amigo, confiável, mas é traidor. Educados a identificar e eliminar estes inimigos fora de nós, ignoramos a existência dos sabotadores internos; morando dentro de nós estes padrões mentais e emocionais promovem a autossabotagem. No livro ‘Inteligência Positiva’, Shirzad Chamine, elenca os 10 principais sabotadores internos.
 
1. O crítico: Sempre acha defeitos em si mesmo, nos outros e em tudo. Dele derivam os demais sabotadores; gera decepção, ansiedade, raiva, arrependimento, culpa e vergonha. Nada lhe satisfaz. Faz acreditar que é preciso punir, pressionar, criticar e cobrar em excesso a si e aos outros, senão nada acontecerá ‘direito’.
 
2. A vítima: O mártir alimenta sentimentos de abandono, solidão, dramaticidade, melancolia, raiva, comparações negativas; em razão disso cria-se um padrão emocional e temperamental excessivo para conseguir atenção dos outros.
 
3. O Controlador: O “Faça-se a minha vontade” gera uma terrível ansiedade e impaciência, pois sempre quer que os outros façam sua vontade. Tira as pessoas da zona de conforto pensando que lhes faz um favor; Acredita que elas precisam do seu comando.
 
4. O hiper vigilante: Precisa estar vigilante o tempo todo, pois certamente algo de ruim, perigoso e errado vai acontecer. Vigilância excessiva e descontrolada.
 
5. O hiper racional: Manifesta frieza e até arrogância. Focado no processo racional e intelectual evita que as emoções apareçam. Gosta de sabedoria, conhecimento, entendimento das coisas; não entende como os outros perdem tempo com questões ‘irrelevantes’.
 
6. O insistente: Mantém necessidade de perfeição consigo, com os outros sempre. Possui muito da veia crítica e controladora; acredita que somente ele sabe o jeito certo, e, por óbvio, odeia erros. Ao não atingir os índices que exige de si se frustra. Quando os outros não atingem o nível exigido são alvo da sua raiva e sarcasmo.
 
7. O prestativo: Leva as pessoas a perder as próprias necessidades e deixar os próprios objetivos de lado em prol de tentar obter a aceitação dos outros, seja agradando, elogiando, ajudando. Esquece seus sonhos e objetivos para tentar sempre buscar indiretamente autoestima na aceitação e afeição dos outros.
 
8. O hiper realizador: Focado em atingir metas e resultados. Sua felicidade e a paz interior duram pouquíssimo. Competitivo ao extremo, viciado em trabalho, busca sucesso pois representa que ele é valioso e bem-sucedido.
 
9. O Inquieto: Não consegue ser focado tampouco objetivo; se dispersa e distrai facilmente, sempre fazendo muitas coisas em busca de variação, novidade e estímulos constantes. Não aproveita o momento presente.
 
10. O esquivo: Foge daquelas coisas e situações desagradáveis que precisa resolver e superar. Tem dificuldade de dizer não, passa a acreditar que não pode fazer nada contrário ao interesse dos outros, pois pode magoar e perder a ligação.
 
Guardadas as devidas proporções, servindo-nos do bom senso, vale refletir e considerar se, muitos de nossas dores, fraquezas e fracassos, não são fruto da obra destruidora dos sabotadores internos.
 

Comentários



Sobre o Autor


Padre Ivanaldo Gonçalves de Mendonça

Pe. Ivanaldo e pós-graduado em Psicologia, pároco da Paróquia São José de Olímpia e Coordenador Diocesano de Pastoral. E-mail: ivanpsicol@hotmail.com

Artigos do Autor